…::GODS POWER PT::…

BEM VINDO AO GODS POWER PT

DIVERTE-TE E CONTRIBUI COM ALGO
E NÃO TE ESQUEÇAS DE VOTAR ENQUANTO
OUVES A RÁDIO NEXT
Se esqueceu a sua senha clique em Recuperar senha

ABRAÇO

susyferry
…::GODS POWER PT::…

GODS POWER PT onde encontras de tudo um pouco, até amigos visita confere ajuda para seres ajudado obrigado

Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso 076




Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso 087




 width=





    Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso

    henrike
    henrike
    Sub Administrador
    Sub Administrador

    Troféus, Medalhas. Troféus, Medalhas. : Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Ouro10:1
    *****
    Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Medal_22:2
    *****
    Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Medal_62:3
    Diz de tua justiça..... :

    Masculino
    Número de Mensagens : 2422
    Idade : 67
    País de Origem : Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Por10
    Alertas :
    Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Left_bar_bleue0 / 1000 / 100Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Right_bar_bleue

    Data de inscrição : 17/01/2010

    RPG
    Warm:
    Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Left_bar_bleue0/0Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Empty_bar_bleue  (0/0)
    Fotos:
    Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Left_bar_bleue0/0Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Empty_bar_bleue  (0/0)

    Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Empty Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso

    Mensagem por henrike em Sab Abr 17 2010, 09:00

    Lei revogada pode travar demolição do Bom Sucesso Ng1281190
    Diploma de 1949 que o Governo decidiu extinguir
    poderá abrir a porta à legalização do centro comercial



    A revogação da lei que fixa as distâncias mínimas entre as construções
    e os terrenos das escolas poderá travar a demolição do centro comercial
    Bom Sucesso, no Porto. A decisão cabe à Justiça que tinha dado 42 meses
    para a legalização ou destruição do shopping.O desrespeito
    do diploma de 1949 (decreto-lei nº37575) foi um dos argumentos
    essenciais - a par da "grosseira violação" do regulamento do Plano
    Director Municipal do Porto de 1993 que estava em vigor à data da
    construção do centro comercial - para o Tribunal ter considerado nula a
    licença concedida pela Câmara do Porto ao shopping e, consequentemente,
    ter sentenciado a demolição, em Novembro de 2007. Falta pouco mais de 13
    meses para esgotar-se o prazo estabelecido. Mas a contenda eterniza-se
    na Justiça, depois dos recursos interpostos por alguns proprietários de
    escritórios e lojas no Cidade do Porto. A Câmara não recorreu.Elaborar
    plano de pormenorNo entanto, a revogação do decreto-lei de 1949,
    decidida anteontem em Conselho de Ministros, pode ter implicações no
    futuro do centro comercial, embora tenha sido pensada para viabilizar o
    projecto do Centro Materno-Infantil (ler texto nesta página). É que a
    extinção da norma legal poderá abrir a porta à legalização do centro na
    esfera municipal.Os juristas consultados pelo JN admitem a
    hipótese de serem introduzidas alterações ao edifício do shopping de
    modo a conformar-se com o actual Plano Director Municipal (PDM). Em
    alternativa, poderá ser adoptada uma solução idêntica à do Dallas, ou
    seja, a elaboração de um plano de pormenor para aquela área que, após a
    entrada em vigor, se sobreponha ao PDM.A interpretação não é
    consensual. O arquitecto José Pulido Valente, que há mais de 15 anos
    luta pela reparação da construção ilegal do Cidade do Porto pela empresa
    Soares da Costa, mantém a convicção de que o Tribunal não alterará a
    sua decisão e exigirá a demolição do imóvel nos 42 meses definidos. Os
    recursos não possuem efeito suspensivo."Acredito que não pode ser
    legalizado algo que está ilegal. A demolição foi decretada por muitas
    razões e nem este PDM admite a construção que lá está. A sentença já
    transitou em julgado e as leis não podem ter efeitos retroactivos",
    apesar da revogação do diploma de 8 de Outubro de 1949, especifica, ao
    JN, José Pulido Valente. A extinção do decreto-lei só acontecerá após a
    publicação em Diário da República.O Tribunal Administrativo e
    Fiscal do Porto não viu, em 2007, razões para não ser executado o
    acórdão de 2003 que determinou a demolição (o custo da operação foi
    avaliado em 125 milhões de euros, há cerca de sete anos). Considerou,
    então, que o shopping Cidade do Porto não podia continuar a funcionar
    sem a devida licença municipal. Porém, o juiz admitiu que a demolição
    pudesse ser evitada, caso o centro comercial obtivesse o licenciamento
    da Câmara até Maio de 2011.O JN apurou que esta questão ainda não
    foi analisada pelos serviços jurídicos da Câmara.

      Data/hora atual: Qui Set 19 2019, 23:16